Entrevista com a Professora Josivanda Palmeira Gomes

Prof.ª Dr.ª Josivanda Palmeira Gomes possui graduação e mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal da Paraíba e doutorado em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professora Titular da Universidade Federal de Campina Grande. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Armazenamento de Produtos Agrícolas, atuando principalmente nos seguintes temas: secagem, armazenamento, atividade de água, sementes e cinética de secagem. Atualmente é Chefe do Laboratório de Armazenamento e Produtos Agrícolas da Unidade Acadêmica de Engenharia Agrícola, Editora Assistente da Revista de Engenharia Agrícola e Ambiental, Comitê de Ética do Hospital Alcides Carneiro e Vice-Coordenadora de Pós-Graduação do Curso de Doutorado em Engenharia de Processos (CCT/UFCG). Também é Bolsista de Produtividade Nível 1.

A Barriguda – Uma das principais marcas do nosso tempo é a velocidade com que as novas tecnologias promovem mudanças na sociedade. Veículos autônomos (driverless), presença da robótica nos cuidados com a saúde, geminoid, manipulação genética de alimentos, clonagem, entre outras novas tecnologias demonstram que o paradigma que pautou a vida em sociedade no último século já se modificou. Instituições de ensino e pesquisa, pesquisadores e estudiosos se tornam parte imprescindível nesse novo ritmo de desenvolvimento, com a responsabilidade de solucionar problemas que afetam as populações. Sabe-se que a Universidade Federal de Campina Grande possui liderança nas pesquisas nesse setor. Diante disso, qual é a opinião da senhora na relação que se estabelece entre pesquisa, instituição de ensino, iniciativa privada e os problemas que atingem as pessoas?

Josivanda – Uma das funções das Instituições de Ensino Superior é a realização de pesquisas, que tem vários objetivos, dentre eles a iniciação do aluno no universo acadêmico permitindo-lhe desenvolver um olhar crítico a cerca dos fenômenos socioeconômicos relacionados ao setor agrícola, de modo a conseguir compreender a necessidade deste segmento e, a partir daí, ser capaz de planejar e executar projetos com a finalidade de promover o desenvolvimento do setor em sua região. A partir desse pressuposto, consegue-se criar elos entre a pesquisa desenvolvida nas universidades com a população, que direta ou indiretamente é beneficiada com os resultados desses estudos, seja através de desenvolvimento de novas tecnologias para a agroindústria, disponibilização de novas matérias-primas para o setor agrícola, geração de emprego e renda no campo ou ainda a oferta de novos gêneros alimentícios a consumidores cada vez mais exigentes. Na área de processamento de produtos agrícolas, um dos principais problemas enfrentados pela população é o consumo de alimentos com elevadas concentrações de sódio, gorduras saturadas e açúcares. Logo a pesquisa desenvolvida nessa área é importante para o desenvolvimento de alimentos mais saudáveis que, além de nutrir, também apresente um efeito benéfico ao organismo. Além disso, deve-se considerar que muitas pesquisas são desenvolvidas em parceria com o setor privado, haja vista a carência de recursos financeiros para condução de pesquisas. Dessa forma, é possível integrar pesquisa, instituições de ensino, população e iniciativa privada.

A Barriguda – Um dos principais problemas enfrentados por pesquisadores e estudantes é a falta/carência de recursos e infraestrutura adequada para condução de suas pesquisas. Como a senhora consegue reverter essa situação e ter importantes projetos em andamento e manter uma boa produtividade?

Josivanda – Apesar da infraestrutura antiga e da carência de alguns recursos físicos, nós desenvolvemos e continuamos a conduzir importantes estudos na Área de Processamento e Armazenamento de Produtos Agrícolas. O segredo é ter uma boa organização e uma gestão adequada de projetos com algum tipo de financiamento. Quando isso ocorre, damos preferência à aquisição de novos equipamentos que podem ser utilizadas em diversas pesquisas posteriores, além de reagentes que ficam em estoque e são consumidos pelos pesquisadores com bom senso. Através dessa dinâmica/gestão ‘econômica’, a produtividade é mantida sendo consequência do trabalho de toda uma equipe que por mim é coordenada.

A Barriguda – A pesquisa na área de Processamento e Armazenamento de Produtos Agrícolas objetiva o desenvolvimento do setor agrário regional, com possibilidades de geração de renda por pequenos agricultores. Nessa perspectiva, quais as principais contribuições dos estudos desenvolvidos pelo seu grupo de pesquisa para o Estado da Paraíba?

Josivanda – Muitas são as contribuições que os estudos desenvolvidos pelo grupo de pesquisa disponibilizam, não somente para o estado da Paraíba, mas também para o Nordeste. A maioria das investigações que são realizadas na área envolve pesquisas com frutas nativas de pouco valor econômico agregado. Muitas dessas frutas são exploradas de maneira extrativista por pequenos agricultores que, por comercializarem seus produtos a margens de rodovias, apresentam lucros reduzidos. Logo, ao disponibilizar tecnologias economicamente viáveis para esses agricultores é possível promover geração de renda para a região devido à agregação de valor dessas frutas e, de maneira indireta, promover algum tipo de desenvolvimento local. Além de pequenos e médios agricultores, a agroindústria é beneficiada pela aquisição de novo ingredientes que poderá ser incorporado às suas formulações.

1 comentários

Deixe uma resposta

*